Ossãe – Itáns

 

“Ossãe recusa-se a cortar as ervas miraculosas”

Ossãe era o nome de um escravo que foi vendido a Orumilá.

Um dia ele foi à floresta e  conheceu Aroni, que sabia tudo sobre as plantas. Aroni, o gnomo de uma perna só, ficou amigo de Ossãe e ensinou-lhe todo o segredo das ervas.

Um dia, Orumilá, desejoso de fazer uma grande plantação, ordenou a Ossãe que roçasse o mato de suas terras.

Diante de uma planta que curava dores, Ossãe exclamava: “Esta não pode ser cortada, é as erva as dores”.

Diante de uma planta que curava hemorragias, dizia: “Esta estanca o sangue, não deve ser cortada”.

Em frente de uma planta que curava a febre, dizia: “Esta também não, porque refresca o corpo”.

E assim por diante. Orumilá, que era um Babalaô muito procurado por doentes, interessou-se então pelo poder curativo das plantas e ordenou que Ossãe ficasse junto dele nos momentos de consulta, que o ajudasse a curar os enfermos com o uso das ervas miraculosas.

E assim Ossãe ajudava Orumilá a receitar a acabou sendo conhecido como o grande médico que é.

***

“Ossãe dá uma folha para cada Orixá”

Ossãe, filho de Nanã e irmão de Oxumarê, Ewá e Obaluaiê, era o senhor das folhas, da ciência e das ervas, o Orixá que conhece o segredo da cura e o mistério da vida.

Todos os Orixás recorriam a Ossãe para curar qualquer moléstia, qualquer mal do corpo.

Todos dependiam de Ossãe na luta contra a doença.

Todos iam à casa de Ossãe oferecer seus sacrifícios.

Em troca Ossãe lhes dava preparados mágicos: banhos, chás, infusões, pomadas, abô, beberagens.

Curava as dores, as feridas, os sangramentos; as disenterias, os inchaços e fraturas; curava as pestes, febres, órgãos corrompidos; limpava a pele purulenta e o sangue pisado; livrava o corpo de todos os males.

Um dia Xangô, que era o Deus da justiça, julgou que todos os Orixás deveriam compartilhar o poder de Ossãe, conhecendo o segredo das ervas e o dom da cura. Xangô sentenciou que Ossãe dividisse suas folhas com os outros Orixás.

Mas Ossãe negou-se a dividir suas folhas com os outros Orixás.

Xangô então ordenou que Iansã soltasse o vento e trouxesse ao seu palácio todas as folhas das matas de Ossãe para que fossem distribuídas aos Orixás.

Iansã fez o que Xangô determinara.

Gerou um furacão que derrubou as folhas das plantas e as arrastou pelo ar em direção ao palácio de Xangô.

Ossãe percebeu o que estava acontecendo e gritou: “Euê Uassá!” – “As folhas funcionam!”.

Ossãe ordenou às folhas que voltassem às suas matas e as folhas obedeceram às ordens de Ossãe.

Quase todas as folhas retornaram para Ossãe.

As que já estavam em poder de Xangô perderam o Axé (perderam o poder da cura).

O Orixá Rei, que era um orixá justo, admitiu a vitória de Ossãe.

Entendeu que o poder das folhas devia ser exclusivo de Ossãe e que assim devia permanecer através dos séculos.

Ossãe, contudo, deu uma folha para cada Orixá cada qual, com seus axés e seus efós, que são as cantigas de encantamento, sem as quais as folhas não funcionam.

Ossãe distribuiu as folhas aos orixás para que eles não mais o invejassem.

Eles também podiam realizar proezas com as ervas, mas os segredos mais profundos ele guardou para si.

Ossãe não conta seus segredos para ninguém, Ossãe nem mesmo fala.

Fala por ele seu criado Aroni.

Os Orixás ficaram gratos a Ossãe e sempre o reverenciam quando usam as folhas.

***

Axé

Mãe Vanda D’Oyá

Last updated: 2016-09-20